A Alface Menina olhou o jardim maravilhada, mas de repente sentiu muito medo ,como se algo a paralisasse. O rapaz a olhou e como se adivinhasse o que estava se passando com ela, sorriu pegou na sua mão e lhe disse para não ter medo. 
Ela se sentiu melhor mas ainda estava com muito medo. Por que afinal de contas que loucura toda era aquela ?

Por que tinha acontecido tudo aquilo.Por que tinha que ser tao diferente….?

quero aprender

“Quero aprender. Quero ser excelente naquilo que me diz respeito. Quero dar algo especial ao mundo. Quero crer que há um motivo que dá sentido ao viver, um princípio que me ajude a atravessar os maus momentos e também os bons. Quero crer que vamos nos encontrar e nos amar e que nunca voltaremos a nos sentir solitários” Richard Bach em “Um” 

sempre um caminho

“Voltei a ser uma alface vegetativa de novo… Mas não me sinto como uma alface normal, já senti o gosto da liberdade, do vento em meu rosto!Eu tenho um rosto, eu posso andar, por que será que voltei a ser uma alface de novo?não consigo entender.  Foi aí que me colocaram numa coisa estranha de vidro.Me senti sufocada lá dentro.Quando se sente a liberdade, e a tiram de você, é como se o seu eu sumisse,como sua existência não passasse de um erro, ou sei lá o que. De repente ele veio. Um rapaz com seus cabelos esvoaçando ao vento.Parecendo entender a melodia da vida. E me olhou, parecendo entender o que eu estava passando, Ele tocou no vidro e uma coisa estranha aconteceu Comecei a me sentir estranha,passar mal.Voltei a ser  Alface Menina…”

Sempre um caminho

A menina alface corria… a brisa daquela noite batia delicadamente contra seu corpo. Ao seu lado outra pessoa corria: um menino, que tinha tirado a menina de sua forma alface. Pararam exaustos diante uma porta de madeira com lindos detalhes dourados. O menino olhou ao redor para ver se não tinham sido vistos, sorriu para ela e abriu a porta chamando-a para entrar com ele. Os olhos da menina alface brilharam ao ver o que aquela porta escondia, um jardim se estendia até onde seus olhos não pudiam mais ver, flores, árvores, arbustos, a grama molhada sob seus pés. O menino estava alguns passos a sua frente, sempre chamando-a para seguir com ele. 

by Fernanda Kan

numa redoma de vidro…

Giganás estava sentado em seu trono. A alface, não mais menina, estava guardada em uma redoma de vidro, livre de qq mau. Os pequenos, como haviam sido instruidos, foram ao jardim conhecer as maravilhas daquele reino. 

Imagem: Simples Palavras

Com o cair da noite, os três pequenos voltaram para o palácio, encantados com o que haviam visto, e sentaram à mesa com Giganás e sua corte para uma refeição. Foi, então, que se ouviu um estrondo vindo do quarto de onde a redoma da alface havia sido guardada. Todos se levantaram para ver, os pequenos correram na frente. Quando abriram a porta viram pedaços de vidro espalhados pelo quarto. Procuraram a alface preocupados, mas não havia nenhum sinal dela. Giganás, sempre sereno, os chamou até a janela e de lá eles viram dois vultos correndo em direção ao jardim. Um deles, mesmo que distante, pareceu ser a menina alface, mas nenhum dos três tinha certeza disso. Quiseram ir atrás deles, mas Giganás orientou que aguardassem. Se ela corresse algum mal, ele saberia.

 Fernanda Kan

Mãe Terra

Imagem: Roda do Amor

Comecei a correr desesperadamente até que o ar me faltasse,tropecei e fiquei lá estrupiada e me sentindo menor q a menor folhinha existente.
Um forte vento começou a soprar e um trovão me aterrorizou, a chuva me encharcou, e desejei q a dor que eu sentia se fosse junto com a água que caía, q transbordasse,eclodisse…

Eu estava tremendo.Eu estava com frio.Eu estava com medo.Eu estava com raiva.Eu estava suja.Eu estava sozinha.

imagem

Tão repentinamente como começou a chuva cedeu lugar a tímidos raios de sol . A Alface Menina se surpreendeu ao se sentir aquecida e como o sol parecia banha-la de propósito.
Espirrou e ao erguer o rosto se assustou com um passarinho q sobrevoava a poucos centímetros dela. Um pequenino coelho saltou no colo dela e como que hipnotizada a alface menina não conseguiu desvencilhar
daqueles profundos olhos e, como se estivesse em transe pegou um punhado de terra com as mãos e sentiu se confortada.Uma sensação de familiaridade tomou conta dela.
Uma voz meiga,profunda e forte sussurrou em seus ouvidos:
“como podes ter esquecido”

E então a menina Alface se sobressaltou, sim como pode se esquecer.
Ela era filha da Terra. Mãe Terra.

mãe

Vamos voltar um pouco no tempo e contar aqui uma das muitas andanças vividas pela menina alface.

… um aperto no meu coração começou a me incomodar, uma saudade imensa de alguém que sempre cuidou de mim,que me acolheu e que sempre esteve do meu lado. Entrei em uma loja onde havia um monte de estante e vários livros, folheei um ao acaso e me deparei com a seguinte mensagem:

[O Anjo Mãe
    Autor: Raimundo Baia da Silva

Uma criança pronta para nascer perguntou a Deus: –
Soube, Senhor, que estarei breve sendo enviado à Terra. Como eu vou viver lá, sendo assim pequeno e indefeso?
E Deus disse:
– Entre muitos anjos, eu escolhi um especial para você. Estará lhe esperando e tomará conta de você.
E a criança perguntou:
 -Aqui no céu eu não faço nada a não ser cantar e sorrir, o que é suficiente para que eu seja feliz. Serei feliz lá?
Site da Imagem

Deus respondeu:
– Seu anjo cantará e sorrirá para você… A cada dia, a cada instante, você sentirá o amor do seu anjo e será feliz.
– Como poderei entender quando falarem comigo, se eu não conheço a língua que as pessoas falam?
E Deus afirmou:
 – Com muita paciência e carinho, seu anjo lhe ensinará a falar.
– E o que farei quando eu quiser Te falar?
– Seu anjo juntará suas mãos e lhe ensinará a rezar.
E a criança ainda perguntou a Deus:
 – Eu ouvi dizer que na Terra há homens maus. Quem me protegerá?
– Seu anjo lhe defenderá mesmo que signifique arriscar sua própria vida.
– Mas eu serei sempre triste porque eu não Te verei mais – disse a criança.
– Seu anjo sempre lhe falará sobre Mim, lhe ensinará a maneira de vir a Mim, e Eu estarei sempre dentro de você.
Nesse momento havia muita paz no céu, mas as vozes da Terra já podiam ser ouvidas pela criança. Ela, apressada, suplicou a Deus:
– Oh Deus, está chegando a hora de eu ir agora, diga-me por favor, o nome do meu anjo.
E Deus respondeu:
 – Você chamará seu anjo de MÃE!]

 Que história linda -pensei.
Uma solidão imensa e intensa tomou conta de mim.
Comecei a andar sem rumo.As lágrimas ardendo em meu rosto.
E um pensamento me assombrava :
Eu não tenho mãe…

Alface Menina

CONTINUA………..