numa fria manhã de inverno

conto de ventanias passadas.
originalmente publicado no meu blog antigo vivendo com o vento.

Era uma daquelas manhãs frias, cinzentas e nebulosas de inverno, onde só o fato de ter que abrir os olhos já é uma tortura,e se colocar o nariz para fora te faz desejar voltar ao mundo “seguro” dos sonhos, imagine ousar por os pés descalços no gélido do chão! Leva-se umas tantas horas…
E o que dizer então de um alguém com o fardo da fobia social?Onde o termômetro poderia estar nos 30° ou em amenos 23° , qualquer que fosse a temperatura,se passava mais tempo embaixo das cobertas do que qualquer canto cinza ou verde do mundo afora.
Mas… não sei o que me deu.Enfrentei o frio da manhã e o vento finalmente sorriu!
Estou lá, me sentindo com 80 quilos toda entulhada de roupas no frio assustador de uma manhã de inverno.
Alguns passos depois, e a vontade, a ânsia de retroceder é intensa, desesperadora.
Melhor é não pensar em nada e seguir adiante.

De repente…
…Tão repentinamente que nem sei como, fui parar naquela sala e minha anfitriã (que surgiu de não sei da onde)me empurrou para sua cozinha.Fiquei embasbacada!A mulher tinha um fogão a lenha.
Ela pegou um bule de vidro tão fininho que pensei que fosse trincar ao vê-la colocando no fogo,o líquido vermelho me fascinou,as borbulhas pareciam me hipnotizar,nesse instante, a minha misteriosa anfitriã me fitou.
Tremi de medo.

Ela tinha olhos estranhos olhos azuis. Pareciam de vidro.
Desviei o olhar.
O aroma que se espalhava pela cozinha me fez perceber que era vinho tinto o tal líquido vermelho.
A mulher com seus olhos de vidro pegou um pote onde se lia mel o dourado me fez pensar em ouro líquido…
A alquimia a qual presenciava me deixava cada vez mais fascinada e ela ia adicionando ingredientes de que eu não tinha a mínima idéia do que seriam, pozinhos,sementes,folhas,tudo se misturava numa combinação que parecia perfeita!
Finalmente ela despejou a tal bebida numa delicada xícara de vidro,tão fininha que temi segurar
O aroma que senti era indescritivel,inebriante.Engraçado como me fez sentir triste.
Meus olhos se encheram de lágrimas
Nesse momento minha anfitriã me fitou com seu olhar de vidro.
Estremeci.
Levei a tal bebida aos lábios.O líquido pareceu queimar minha garganta, mas deixou um sabor doce e leve em minha boca.
A tristeza aumentou e não mais consegui segurar as lágrimas.
– Normalmente quem me visita,fica alegre e seu ser é preenchido com a chama da felicidade ao tomar do meu LLilyictrium (acho que era isso,não consegui entender)
Percebi que a xícara na qual ela segurava, tremia.Suas mãos estavam tremendo.
Ela continuava a me fitar intensamente, de um modo estranho.
Minha tristeza aumentou ainda mais.
-Por que tamanha tristeza,criança?
Os olhos dela começaram a brilhar, a vida começava a bailar em teus olhos de vidro.
– Poderia me responder?Consegue responder a si mesma?
A mulher se transformou totalmente ao me fazer a última pergunta:
– Por que a escolha da tristeza, quando o efeito da bebida é justamente a alegria e felicidade?
E de repente.
Tão de repentinamente que nem sei como,
Retornei.
Para uma daquelas frias manhãs de inverno,e eu estava lá novamente, embaixo das cobertas…

Contemplar

Ele não olhava, nem observava.
ele ficava um tempo parado perto dela.

E pegava as suas mãos
E as tocava.
De um jeito que só ele sabia.
Ele contemplava
E não se cansava de contemplar.
Ela deixava.
Por um tempo
ela deixava.
Aquele tempo parecia uma
pequena prece de eternidade.
Aquele tempo
Onde ele podia contemplar.
E capta-lá.
Não observar, nem olhar.
Mas contemplar.
E o pequeno tempo se fechava.
Quando ela não se deixava mais contemplar.
E ele então só podia
Olhar e Observar.
E seu coração se entristecia
Mas só um pouco
Por que havia o tempo
que ele poderia contemplar.
Annie dos Ventos

Afinidade

A afinidade não é o mais brilhante, mas o mais sutil,
delicado e penetrante dos sentimentos.
E o mais independente.
Não importa o tempo, a ausência, os adiamentos,
as distâncias, as impossibilidades.
Quando há afinidade, qualquer reencontro
retoma a relação, o diálogo, a conversa, o afeto
no exato ponto em que foi interrompido.

animais-amigos

Afinidade é não haver tempo mediando a vida.
É uma vitória do adivinhado sobre o real.
Do subjetivo para o objetivo.
Do permanente sobre o passageiro.
Do básico sobre o superficial.

tanuki

Ter afinidade é muito raro.
Mas quando existe não precisa de códigos
verbais para se manifestar.
Existia antes do conhecimento,
irradia durante e permanece depois que
as pessoas deixaram de estar juntas.
O que você tem dificuldade de expressar
a um não afim, sai simples e claro diante
de alguém com quem você tem afinidade.

arara

Afinidade é ficar longe pensando parecido a
respeito dos mesmos fatos que impressionam comovem ou mobilizam.
É ficar conversando sem trocar palavras.
É receber o que vem do outro com aceitação anterior ao entendimento…
dalmataelabrador


Afinidade é sentir com. Nem sentir contra,
nem sentir para, nem sentir por.
Quanta gente ama loucamente,
mas sente contra o ser amado.
Quantos amam e sentem para o ser amado,
não para eles próprios.

gatu

Sentir com é não ter necessidade de explicar o que está sentindo.
É olhar e perceber.
É mais calar do que falar, ou, quando falar,
jamais explicar: apenas afirmar.
Afinidade é jamais sentir por.
Quem sente por, confunde afinidade com masoquismo.
Mas quem sente com, avalia sem se contaminar.
Compreende sem ocupar o lugar do outro.
Aceita para poder questionar.
Quem não tem afinidade, questiona por não aceitar.


Afinidade é ter perdas semelhantes e iguais esperanças.
É conversar no silêncio, tanto das possibilidades exercidas,
quanto das impossibilidades vividas.


Afinidade é retomar a relação no ponto em que
parou sem lamentar o tempo de separação.
Porque tempo e separação nunca existiram.
Foram apenas oportunidades dadas (tiradas) pela vida,
para que a maturação comum pudesse se dar.
E para que cada pessoa pudesse e possa ser,
cada vez mais a expressão do outro sob a
forma ampliada do eu individual aprimorado.
Artur da Távola

madagascar_escape_2_africa_poster-wide

 

Semeando Luz, semente de luz…

fonte da imagem : agrandefraternidadebrancauniversal.blogspot.com

fonte da imagem : agrandefraternidadebrancauniversal.blogspot.com

“…Está, estamos a tua espera, mas se não for logo a água afoga

A água é vida, é correnteza fluída, ela tem a força, mas se não tiveres o conhecimento, a sabedoria de lidar com ela, você se afoga.

Se a espera for muito longa tudo se perde nas ondas

Contemple o olhar no túnel azul em sintonia com o mar e o fogo, ande entre elas e suba, navegue em sentido contrário daquilo que está acostumado, assuma as cores, as fontes,as verdades, as corredeiras, correntes…”

Túlio investiu em sementes de luz, em um sonho há muito esquecido.Esqueceu do que tinha dito,lido,planejado, esqueceu de ir onde disse que iria.

Se perdeu no marasmo das companhias estranhas e entusiastas das beldades que tinha encontrado pelo caminho.
virou um triste caso de acesso, ele se escondeu e se esqueceu do que pensava ser um caminho árduo e trabalhoso.Escolheu o caminho “mais fácil” de que fácil não tinha nada.
Mas era o caminho de sua felicidade,de seus ideais,princípios e sonhos que ele se esqueceu.
E trocou todo o seu eu pelo eu do outro.
Se adaptou ao que o mundo queria,
E esqueceu do que ele queria.
As sementes secaram.
Mas ele ficava horas observando parado as sementes que há muito tempo tinha plantado.Era uma época que ele ainda sonhava.
E o vazio e a dor que ele sentia se tornaram tão grandes que ele chorou e as lágrimas rolavam copiosamente pelo teu rosto que acabaram por molhar a terra das sementes secas.

fonte da imagem: sementesdasestrelas.blogspot.com

fonte da imagem: sementesdasestrelas.blogspot.com

Túlio desmaiou, a dor no seu coração foi demais. O peito estava enfaixado
Tinha sofrido um ataque cardíaco, acordou dias depois no leito de um hospital. Tulio sofreu uma cirurgia de grande risco e recebeu o transplante de um coração.
O coração do homem que ele tinha despedido. O faxinheiro que tinha derrubado café em seu paletó.
Sem emprego, não teve como pagar o aluguel e foi despejado.
Sem ter onde dormir, passava as noites na rua, e como a idade já era avançada e o frio estava muito intenso, a hipotermia o atacou.
Já no hospital, ele não resistiu, mas não foi o frio intenso que o venceu, mas a gélida solidão e tristeza q fizeram ele não conseguir suportar as temperaturas tão baixas daquele inverno.

Sr. Eustáquio era o nome do faxineiro, pai de Túlio. que desejoso de um futuro ,elhor para o seu filho,entregou-o para adoção de um casal rico.

Foi assim que Túlio em frente ao túmulo de teu pai, percebeu que recebeu a vida duas vezes, as sementinhas milagrosamente começaram a nascer e geraram uma arvore muito rara que deu origem a um chá.
Chá esse que se tornou um poderoso remédio contra o câncer , além de muitas outras propriedades ainda em fase de pesquisas.
Chá que curava feridas físicas e acalentava corações machucados,magoados,endurecidos.
Túlio foi estudar as ervas medicinais, biologia, botânica, tudo referente a natureza e plantas….

Obs. Este texto escrevi faz bastante tempo,tinha até esquecido dele, encontrei “por acaso” perdido no meio de um livro…

é um conto inacabado, pra variar,  torcendo para q venha mais inspiração ;))

Espero que tenham gostado

Três Homens Vazios e Cheios – Final

pintura de  Dorian Vallejo

pintura de Dorian Vallejo

Senti os dedos do homem em meu ombro;
– Olhe pra mim, Alice.
A voz vibrava.E uma imensa luz branca se espalhou e tomou conta de mim.

Eu olhei. E desmaiei.

Oi eu sou Alice.
A garota que encontrou aqueles três homens. Vazios e Cheios.
Gostaria de contar que os três homens que agora estão vazios e estão começando a se encher de novo, não eram homens maus.
Eles apenas foram preenchidos pelas palavras e atos que são ditos e feitos todos os dias no mundo inteiro.
Eu estou escrevendo para pedir ajuda.
Por que não sei quanto tempo tempo ainda vou aguentar.
E aqueles homens podem explodir a qualquer momento…
Se já não explodiram :(

O último homem vazio e cheio ao mesmo tempo era bem pequenino
Ele foi preenchido de luz branca, pura e sincera . As palavras que continham dentro dele eram palavras sinceras, simples, mas puras de emoção e sentimento.
Incrivelmente ali também tinha tristeza, raiva, mágoa, dor.
Transformadas em algo bonito.
O problema não é sentir emoções densas, mas o que você faz com elas.
Que destino você dá a elas.
Muitas emoções densas normalmente são usadas para machucar alguém, ilusoriamente para beneficio próprio.
Mas aquele homem foi preenchido com emoções também tristes,mas que não foi alimentado, foi direcionado, transformado, compreendido, amparado. E também foi preenchido por sentimentos alegres, de pura luz, vibrantes.
Eu não aguentava olhar para ele, por que eu estava tomada pela escuridão.E a luz dói quando mergulhamos nas trevas.Ele se aproximou, e compartilhou toda a sua luz comigo.Ficando vazio de novo.
Os três homens estão se enchendo de novo.
E com emoções densas novamente…
Posso senti-los mesmo a distância. Uma forte conexão foi criada entre nós.
E eu não sei se conseguirei esvazia-los novamente.
Por isso peço a ajuda de vocês…
Não alimentem as emoções densas.Solte-as. E transforme -as em sentimentos,leves, cheios de luz.
Vocês devem estar pensando que eu sou uma menina louca, que eu não sei a dor que cada um carrega.Mas eu sei. Eu senti. Eu realmente enlouqueci. E fui salva.
Vocês podem. Vocês tem esse poder. O poder de sentir coisas boas, de pura luz, da mais alta vibração.
Se for para aqueles homens explodirem. Que explodam cheios de luz, cheios de amor..
Vocês podem.
Conto com vocês
Com amor,
Alice

Três Homens Vazios e Cheios – Parte IV

Uma Luz Distante  por Elena Dudina

Imagem: Uma Luz Distante
de Elena Dudina

 

Passos tímidos e leves chegaram aos ouvidos de Alice.
A sua alma que observava tudo com olhos assustados e inchados pela lágrimas. Parou de chorar.

O terceiro homem se aproximava.Lenta e Suavemente. Ele parecia um sopro de vento.
Alice quase esboçou um sorriso mas não conseguiu.
Ficou com medo de novo.Que coisa horrível ela iria sentir?
Gritou de dor. Aquele homem vazio e cheio a machucava com sua aproximação.

Será que ele era assim pior que os outros dois?

Olhar pra ele dóia, mas olhou mesmo assim, e percebeu que ele era bem menor que os outros dois.
Era menos cheio. Não parecia que ia explodir.Pelo contrário.Parecia quase fraco.

Com a visão embaçada Alice viu sua alma abraçar aquele homem vazio e cheio.E ela gritou.
Se sua alma fosse destruída ela se tornaria ódio e vingança e nenhuma luz restaria dentro dela.
Gritou,gritou por que não queria , não podia suportar toda a escuridão do mundo dentro dela.
Mas gritar não adiantou.
A sua alma desapareceu dentro daquele homem vazio e cheio ao mesmo tempo.
O desespero tomou conta dela.
E agora ela era só ódio e escuridão.
As trevas estavam próximas.
E nunca queira senti-las. O horror é tão terrível que é quase impossível respirar.

Alice tinha que destruir aquele homem, que tinha se alimentado da sua alma, que devia ser pior do que os outros dois.
Então aniquila-lo era tudo o que importava

Começou a cortar seus pulsos para que as trevas se alimentasse do seu ódio e ela tivesse mais poder,
Incitar os homens a mais violências, guerras, abusos, discórdias.

Mas o homem continuava a caminhar em sua direção.
E ela parou tudo o que estava fazendo e se encolheu num canto.
Ela quis fugir.
Mas percebeu que não podia.

Então ela falou numa voz mansa e adocicada.Uma voz que Alice não reconheceu como sendo dela própria.
Ainda encolhida ela falou pro homem;
-Me deixe ir, eu te dou todo o poder que você quiser. O poder de manipular tudo e todos.
E conseguir tudo o que quiser.
Alice sentiu os dedos do homem em seu ombro;
– Olhe pra mim, Alice.

“… A voz vibrava.E uma imensa luz branca se espalhou e tomou conta de mim.

Eu olhei. E desmaiei…”

[Continua…]

Três homens vazios e cheios – Parte 3

[Do Not Feed] "Não Alimente" Ilustração de Jon Lezinsky

[Do Not Feed]
“Não Alimente”
Ilustração de Jon Lezinsky

A menina tremia.
Foi então que outro homem se aproximou dela.
O segundo homem vazio e cheio

Alice tremia, tremia por que estava com muito calor
Seu corpo era o inferno encarnado em uma pessoa
Pensava ela, em pensamentos desconexos

Foi então que sentiu um ar frio lhe envolver, que causou alivio por breves segundos.

Aquele homem também tinha uma pele transparente.Ele emanava algo azul, um azul feio.
Alice se surpreendeu como aquele azul podia ser tao feio.Teve vontade de vomitar
Logo ela que gostava tanto do azul, que lhe lembrava o céu, a imensidão, o reflexo na água….

Aquele azul era falso. Concluiu ela. Surpresa como ela conseguia ainda ter consciencia de qualquer coisa q fosse.

Foi engolfada para um buraco fundo, vazio, e frio.

Palavras bonitas a envolveram.

Alice estava confusa ….
Aquele homem era tão cheio de palavras bonitas, mas por que ela sentia tanto frio, tão sozinha?
E aquele azul feio. Por que era tão feio se era preenchido por palavras bonitas.?

Foi então que percebeu aquelas palavras não eram bonitas. Eram vazias.Eram falsas.
Palavras que foram ditas apenas pra enganar, magoar, machucar, para satisfacão do ego.

As palavras eram iguais ao falso azul.
E então Alice já contaminada pelo ódio e pela violência se lembrou de todos aqueles que lhe falaram palavras vazias.
E com a mente já pertubada pela mais perversa energia pensou que todos já tinham dito palavras de odio e falsas a ela.
Sem exceção.Estava cercada pelo mal.

Vingança.

Era o que ela tinha que fazer.

Espalhar a dor que causaram a ela.

E ela olhou para os olhos do homem que era preenchido pelo azul feio e falso das palavras vazias e cinicamente bonitas.
A frieza daquele olhar a preencheu.
E o homem vazio e cheio ficou apenas vazio.

O teu coração agora era gélido.E o teu corpo era fogo. Calor que não aquecia .Só queimava.

Passos tímidos e leves chegaram aos ouvidos de Alice.
A sua alma que observava tudo com olhos assustados e inchados pela lágrimas. Parou de chorar.

O terceiro homem se aproximava.Lenta e Suavemente. Ele parecia um sopro de vento.
Alice quase esboçou um sorriso mas não conseguiu.
Ficou com medo de novo.Que coisa horrível ela iria sentir?

Três Homens Vazios e Cheios – Segunda Parte

Imagem: Light Dancer pintura de Dorian Vallejo

Imagem: Light Dancer
pintura de Dorian Vallejo

A menina era Alice, ela sentia demais.
Se uma pessoa estava triste, ela sentia a tristeza como se fosse dela.
Por isso Alice evitava o contato com outras pessoas.

Mas naquele dia, algo a impulsionou para sair de casa.
E ela se deparou com aquele homem.
O homem vazio e cheio ao mesmo tempo.

Ele estava a um quarteirão de distância mas ela já podia sentir a sinistra energia que emanava dele.
Alice sentiu sua pele se arrepiar. E com grande terror o ódio preencher sua mente, sua alma, seu coração.
Ela arfou, quase desmaiou.
O mundo ficou vermelho.
Mas não sabia dizer por que seus pés não lhe obedeciam que a arrastavam para perto daquele homem.
Um pânico enorme tomava conta do pouco da consciência que ainda lhe restava.
Uma voz gritava com urgência em sua cabeça:
-Fuja, fuja enquanto ainda pode!!

Mas seus pés não lhe obedeciam
E o ódio e todas as cenas de violência do mais podre e fétido teor lhe invadiram sua mente.
Ela sentiu vontade de matar alguém, torturar, se matar.
Sentiu coisas que nunca sentiu antes.
Sentiu o ódio do mundo.

Era como se sua cabeça fosse partir ao meio. Sentia como se estivesse num sonho.
Sua alma parecia não mais habitar aquele corpo que se corrompeu num monte de emoções e sensações impuras.
Era como se sua alma a estivesse observando. Esperando ela se livrar daquele monte de lixo.
Alice sentia que sua pele , suas entranhas, seus pensamentos
Tudo em seu ser queimava.Numa queimadura que doía mais do que colocar sua mão em óleo fervente e não ter como tira-la de lá.

Ela olhou nos olhos daquele homem cheio e vazio ao mesmo tempo.
Sem ter noção de como tinha conseguido chegar perto dele.
ela gritou .Era horrível aquilo que viu.

Perto dali uma garota de longas tranças douradas observava a tudo.
Perguntou ao ser que se escondia nas sombras:
-Tem certeza que tudo isso é necessário?
Os dois eram invisíveis a olhos humanos.E a seres mais densos também.
– Se não fosse possível a eles suportar o peso, não estaria acontecendo.E foram eles que escolheram.
A garota olhou para aquele rapaz que se misturava com as sombras. E sorriu.
Ele também tinha passado pelos mesmos questionamentos.

O homem vazio e cheio.Agora era apenas um homem vazio.
A menina tinha sugado todo o seu conteúdo.
O homem vazio e cheio estava prestes a explodir, sua pele já estava rasgando.
O mundo não sabia do perigo que correu segundos antes.

A casca do homem flutuou pra cima, pro cosmos.

[Continua…]

Três homens vazios e cheios

Imagem: Angel ilustração de Sho Murase

Imagem: Angel
ilustração de Sho Murase

 

Era uma vez

Três homens cheios.
Cheios e vazios ao mesmo tempo.E uma menina.

Um homem era repleto de palavras de baixo calão,
xingamentos, discursos de ódio,raiva,vingança.
Palavras que emitiam a mais densa escuridão.
Escuridão que lembra piche,lodo, daquelas grudentas
que empesteia ,denigre, definha.
Por que existe aquela escuridão que contém luz.
Essa escuridão quase ninguém ouviu falar.
Quem a descobre, se encanta.
Mas existe essa escuridão, que todos escondem.
Eu admito.
Possuo tal escuridão. E você?
Mas o que faz diferença é a escolha.
Que escuridão você escolhe?
Sim, não estou falando em escolher entre luz e escuridão.
Mas estou falando de escolher a escuridão negativa
E a escuridão positiva. A escuridão que contém luz.
Olhando mais perto para o homem,ele lembrava meio
que um balão.Uma bexiga. Causa estranheza e um grande desconforto pra quem observa.
Pior ainda pra quem está perto. A pele do homem era meio translúcida.Você já pegou uma lanterna e mirou a luz na palma da sua mão?
Dá um efeito bem legal né?
Então a pele do homem era parecido com aquilo, mas bem mais transparente.
e emitia uma espécie de luz, uma luz vermelha .
Não, não se pode chamar aquilo de luz. Esse homem cheio, era composto apenas dessas palavras.

hlwa_final_lg
Essas palavras o pregavam no chão.
A luz depois de observar melhor parecia sangue
O homem parecia sangrar e destilar palavras de ódio.
E quanto mais pessoas no mundo
usavam tais palavras, mais o homem se enchia,
era assustador observar a pele que parecia que ia explodir a qualquer momento
O sangue se espalhava pela terra e agia como se fossem sementes do mal.
Espalhando e incitando cada vez mais energia negativa e destruidora.
As palavras de ódio agem assim como se fosse uma epidemia.

[continua…]